Conheça os principais tipos de entrevistas

Conheça os principais tipos de entrevistas

Ao procurar por vagas de emprego, é normal bater a ansiedade sobre o desconhecido o que aumenta a curiosidade em como se preparar para uma entrevista e as demais etapas do processo. 

Sendo assim, abordaremos neste texto a importância dessa fase para o processo seletivo. Saiba mais a seguir sobre os tipos de entrevista e o que você deve esperar. 

 

Como funciona um processo seletivo?

 

Um processo seletivo para uma determinada vaga de emprego pode ocorrer de várias formas, a depender de como será organizado pela companhia que está ofertando os cargos. 

Alguns são mais complexos, passando por diversas etapas, e outros são mais simples e diretos.

Entretanto, basicamente todos têm a mesma função que é passar um pente fino em diversos candidatos.

Às vezes, há milhares para apenas uma vaga, tornando a prática necessária para achar o que mais se aplica à posição, de acordo com as especificações e atribuições do trabalho. 

Por exemplo, vamos imaginar que você é o empregador e há demanda para uma determinada função administrativa na empresa ou tiveram algumas saídas inesperadas no departamento de Administração. 

Primeiramente, você que é o dono daquela área deve checar com o RH e com o financeiro naquela sala reunião pequena, se essas vagas conseguem ser preenchidas novamente ou não. 

Isso depende da parte financeira da empresa porque pode ser que as pessoas tenham saído por causa de um corte de gastos na companhia.

Neste caso, não haveria como repor essas posições e o processo seletivo não seria aberto, pois não há previsão de aprovação orçamentária para abarcar novos funcionários nesses cargos. 

Por outro lado, se a empresa está em plena expansão e essas vagas são adicionais nesta área administrativa, o gestor deve novamente procurar a área de Recursos Humanos e a equipe financeira para averiguar quantas vagas teriam de ser preenchidas.

A partir disso, os departamentos enviam quais seriam as posições para abertura do processo seletivo e seus respectivos dados.

Por exemplo, o salário, se seria regime CLT ou não, quais seriam os benefícios oferecidos pela empresa e quais seriam as etapas deste processo seletivo. 

Com essas informações em mãos e com todas as áreas envolvidas completamente alinhadas sobre a necessidade dessas vagas.

Portanto, sobre a abertura de um processo seletivo, é possível seguir, a partir disso, com o processo de divulgação dessas vagas.

A decisão de como será divulgado esse processo seletivo deve ser do gestor em conjunto com o RH, pois eles serão responsáveis por receber os currículos. 

Aqui, vale a seguinte pergunta para entender o melhor jeito de divulgar: “queremos receber milhares de currículos.

Assim, o processo será mais demorado ou preferimos lançar uma comunicação interna na companhia para um programa de indicações para esses currículos já chegarem com um certo direcionamento?”

Vale discutir com o RH o que vale mais a pena. Não há certo nem errado, basta haver uma decisão para ficar claro qual o melhor caminho considerando algumas questões, como:

 

  • Há urgência para preencher as vagas? 
  • É preferível mais variedade ou mais qualidade nos currículos?
  • Que tipo de indicações serão aceitas? 
  • Essas vagas são destinadas a PCD?
  • Algumas dessas vagas serão exclusivas para profissionais negros?
  • Haverá preferência na contratação de mulheres?

 

Essas questões precisam ser delineadas antes do processo seletivo ocorrer para não haver nenhuma incongruência. 

Por exemplo, essas três últimas perguntas são muito atuais nos processos seletivos e devem passar por um caráter decisório da diretoria. 

Sendo assim, se a companhia que faz abertura de cofre antigo, por exemplo, já tem uma política de inclusão social vale alinhar com o departamento de RH se essas vagas farão parte, de alguma forma, dessas ações.

Se a empresa ainda não adotou essas medidas, mas quer fazer isso em algum momento, talvez essa oportunidade seja ótima para começar. 

Afinal, dependendo de onde a equipe de marketing divulgar essas vagas, é possível aproveitar esse momento de necessidade de preenchimento desses cargos para enfatizar a política inclusiva da empresa.

Algo que é bastante demandado pela sociedade, por investidores e aos olhos da mídia, sempre chama atenção.

Portanto, com essas questões definidas, é hora de divulgar da forma que for mais conveniente para o contexto da empresa.

 

Por que é tão importante um processo seletivo?

 

Adotar um bom processo seletivo é uma forma de garantir ao máximo o conhecimento sobre as pessoas que estão se candidatando para as vagas propostas, se elas se encaixam no perfil relacionado tanto aos cargos quanto à empresa, de forma geral. 

Isto também se aplica para quem está se candidatando, já que durante o processo terá mais detalhes sobre a empresa a qual está pretendo fazer parte. 

Sendo assim, a questão do perfil se torna híbrida, pois uma empresa carrega valores, missões, objetivos e metas que são distribuídas aos seus colaboradores na forma de cultura, engajamento e desenvolvimento de carreiras.

Uma empresa coerente em seus processos seletivos tanto procurará alguém que tenha uma visão alinhada com os principais valores da companhia quanto alguém que preencha as qualidades técnicas do dia a dia de um determinado cargo, como motoboy entregador

Em algumas companhias mais modernas, a questão dos valores pode ser até um diferencial até maior do que um candidato, por exemplo, que fala 4 idiomas além da sua língua. E faz sentido, vamos a uma simulação rápida. 

João está se candidatando para a posição de analista pleno em comunicação em uma certa empresa. Os requisitos para a vaga são: formação em comunicação social, pós-graduação em marketing digital, fluência em inglês e experiência de mais de 5 anos na área. 

João está feliz, pois seu currículo abrange tudo o que a empresa pede para a vaga. Mas, por outro lado, ele realiza um teste de fit cultural e acaba não passando, mesmo com o bom currículo preenchendo os requisitos. Mas, por quê?

O candidato foi eliminado da disputa para a vaga porque para a empresa em questão o fit cultural, que é uma avaliação de adequação à cultura e aos valores da companhia, é tão importante quanto se encaixar no perfil para a vaga especificamente. 

 

Tipos de entrevista

 

Dentro do processo seletivo há alguns tipos de entrevistas e avaliações, sendo elas:

 

Avaliação geral online

Geralmente, em grandes empresas de entregas, há um teste online que avalia múltiplos conhecimentos básicos do candidato, como Atualidades, Gramática e Ortografia, Lógica, Matemática básica. 

Aqui, o intuito é ver o seu conhecimento teórico, sua agilidade nas respostas e o quão atualizado e informado você está. 

 

Dinâmica de grupo

Após o teste online genérico, é bastante comum chamar os candidatos para uma fase mais prática, conhecida como dinâmica de grupo. 

Nela, é avaliado como você se comporta frente a concorrentes e a membros de uma mesma equipe. 

Você é colaborativo ou faz as atividades de forma autônoma? Você lidera o grupo ou faz parte? Essas são algumas das questões avaliadas durante a dinâmica, geralmente comandada por um membro do RH. 

Para quem tem um perfil mais tímido, essa etapa pode ser intimidadora, mas uma boa dica é aceitar a timidez e ressaltar aos avaliadores os seus pontos fortes, o que ofuscaria a timidez, que não é nenhum bicho de sete cabeças aos olhos do RH. 

 

Entrevista com o RH e Gestor

Passadas as outras fases que demonstram suas habilidades teóricas e práticas, como uma aula de violão infantil, chegou a tão esperada hora da entrevista direta. 

Nessa etapa, geralmente, o que se faz é uma primeira entrevista com o responsável do RH por aquela vaga. 

Quando é feita de forma separada, as questões costumam ser menos técnicas e mais abertas, levando para um lado mais comportamental. 

Por exemplo: “Que escola particular de educação infantil você frequentou?”, “Conte mais sobre sua rotina e o que você gosta de fazer no tempo livre”, “Qual é a sua aspiração na carreira para daqui 5 anos”, entre outros. 

Quando a entrevista passa para o gestor da área, geralmente o seu futuro chefe, a questão técnica passa a pesar mais.

Perguntas como estas costumam ser comuns: “Como você faria a comunicação da empresa após um escândalo de corrupção?” ou “O que você proporia de melhorias para o nosso serviço se fosse contratado?”.

Nesse tipo de entrevista, o gestor está avaliando tudo: sua postura na cadeira, um movimento repetido por nervosismo, a forma como você se expressa, se você está entusiasmado com a vaga e com a empresa, se está olhando para o relógio ponto digital.

Além disso, é bastante corriqueiro em entrevistas diretas com o gestor você ser pego de surpresa com alguma pergunta totalmente inesperada.

Portanto, é importante manter a calma e conversar formalmente, mas sem sisudez, demonstrando empatia e respeito. 

 

Entrevista com diretor ou dono da empresa

Após a entrevista com o gestor, é possível que você seja já encaminhado para a contratação, caso você se adeque a tudo o que for relevante, com carimbo empresa.

No entanto, em algumas companhias há uma entrevista final com alguém acima do gestor, podendo ser um diretor vinculado à área da sua vaga ou o próprio CEO, presidente ou dono da empresa. 

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Compartilhe

Deixe seu e-mail e receba antes o nosso conteúdo.