Que tal criar um Gestor de Comunidade para a sua Rede Social Corporativa?

Já vou começar este artigo com uma frase da série “verdades difíceis de ouvir”: uma Rede Social Corporativa (RSC), por si só não engaja. 

Independente da plataforma e de suas funcionalidades, se não for feito um trabalho de gestão dessa rede, é muito difícil você conseguir os resultados de engajamento desejados.

O próprio nome já diz ‘rede social’; ou seja, este é um espaço feito para e por pessoas, onde elas podem se conectar, interagir e compartilhar interesses em comum. Mas, como o engajamento é uma via de mão dupla, essas pessoas também precisam ser estimuladas e orientadas a fazer o melhor uso deste espaço.

Sentiu um cheirinho de Community Management no ar?  

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

Muito familiar para quem trabalha no mundo do Marketing Digital, a Gestão de Comunidade (como vamos nos referir neste artigo) surgiu como uma estratégia das marcas para estabelecer uma relação autêntica e mais humana com seus clientes e seguidores.

Junto com ela, também surgiu o Gestor de Comunidade, uma pessoa dedicada a conhecer, conectar e atender as necessidades dos membros da comunidade.

Em 2021, nós do BWG percebemos o potencial dessa estratégia para a gestão de Redes Sociais Corporativas e lançamos em um dos nossos clientes o primeiro projeto de Gestor de Comunidade: a Anna. Depois dela, já vieram a Ida, o Babo, a Cacá e a Ema!

Vem conferir como foi o processo de criação desses gestores e o impacto deles nas redes sociais corporativas dos nossos clientes.

‘First things First’

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Um Gestor de Comunidade na Rede Social Corporativa exerce a função de conectar a empresa e seus colaboradores de uma forma mais humanizada.

Isso porque, a linguagem adotada por ele é mais informal e o tom de voz mais acolhedor e afetivo, se distanciando da lógica da comunicação formal. Mas como funciona o processo de criação e consolidação deste gestor?

Leia também  Transformação digital também é possível em pequenas e médias empresas

Bom, tudo começa com a busca de referências e pesquisa! Por meio da análise do perfil de público da empresa, considere a diversidade em pontos como gênero, idade, raça e veja quais alternativas geram mais identificação com o cliente interno.

Feito esse estudo, é hora de elencar opções de nomes e avatares.

Quanto ao nome, a sugestão é que sejam nomes curtos, de fácil pronúncia e memorização. 

Também é bacana trabalhar com apelidos ou nomes relacionados a empresa. Por exemplo, a Ema e o Babo possuem letras que compõem a marca.

Já a Cacá e a Ida, possuem relação com o nome da RSC. Coincidentemente, nos nossos cases, os Gestores de Comunidade eleitos pelos colaboradores são em sua maioria mulheres, mas, como dito anteriormente, isso se deve à identificação do público com o personagem feminino.

Já na hora de montar as opções de avatar, avalie o perfil dos colaboradores e veja qual diversidade de personagens faz mais sentido. 

Por exemplo: um personagem masculino, outro feminino, um branco e um negro, um jovem e um de meia idade, um com black power, outro ruivo, um de óculos, outro sem.

Como envolver o colaborador e fazer ele comprar a ideia?

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Na etapa anterior, sugerimos elencar no máximo três opções de nomes e avatares.

Na hora de escolher quem será o Gestor da Comunidade, apostamos em um processo colaborativo e democrático junto ao público. Envolver o colaborador neste processo auxilia para que a humanização do gestor seja feita de maneira orgânica.

No caso da Ida, através da funcionalidade de enquete, os colaboradores da empresa votaram para a contratação de uma nova colega que seria a responsável pela gestão da rede.

Já no caso da Anna, a própria web designer da empresa criou o avatar da gestora alinhado com os padrões da marca.

Leia também  Como melhorar a comunicação entre setores? 5 dicas para sua empresa

Para colocar o plano em prática, trabalhamos com um cronograma de ações que contempla: período de votação; divulgação do resultado; e, virada de chave.

O Gestor de Comunidade tá ON!

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Chegou o momento de colocar a mão na massa e fazer o gestor parte desta comunidade. Antes de qualquer coisa, tenha em mente que:

É fundamental determinar a personalidade dessa persona: tom de voz, tipo de linguagem, principais características. Esses pontos vão guiar toda e qualquer interação do gestor na rede, construindo um storytelling linear, coerente e envolvente. 

Outro ponto importante: apenas criar o Gestor não trará resultado algum! É preciso ter método, estratégia, cronograma e alguém dedicado a cuidar deste perfil. A partir daí, fique atento às oportunidades de interação com os usuários:

  • Curta e comente nos posts dos colaboradores, gerando conversas relevantes.
  • Por meio do chat se ofereça para ajudar, ou então, aproveite para identificar oportunidades de pautas, temáticas e conteúdos relevantes para o público.
  • Está rolando alguma ação de engajamento e desafio? O gestor também precisa participar e engajar!
  • Aproveite as datas comemorativas como Setembro Amarelo e Outubro Rosa, para personalizar o avatar do gestor.

Palavras finais de inspiração!

Como você pode perceber, este é um trabalho de formiguinha! Afinal, não é de um dia para o outro que se cria confiança e legitimidade, não é mesmo?

Os frutos deste esforço começam a ser colhidos de médio a longo prazo e, claro, por meio de erros e acertos.

No caso da Ida, foi possível identificar um crescimento de 30% no engajamento das publicações que antes eram feitas por um perfil genérico de comunicação.

Mas, nada é mais gratificante quando o colaborador vem em busca do Gestor de Comunidade pedindo ajuda ou dica; ou então, quando um usuário menciona o gestor em um comentário ou publicação.

Leia também  Como a Internet das Coisas impacta no futuro do trabalho?

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Depois de ler a nossa experiência, você ficou com vontade de criar um Gestor de Comunidade para a RSC da sua empresa também? Então, aí vão três conselhos:  aposte na diversidade e colaboração, fique atento às oportunidades de conexão com o público e persista!

*Artigo escrito em conjunto com Barbara Caetano e Tássia Jeager.

Por: Carolina Finger

Internal Communication & Employer Branding / Employer Branding Talks’s creator

Quer falar com um especialista?

Você precisa de ajuda com alguma situação específica?

Conte para a gente qual o problema que você precisa resolver e nosso time de especialistas em Comunicação Corporativa que está à sua disposição ajudará a resolver.

Preencha o formulário abaixo com seus dados e o resto deixa com a gente! Um consultor irá entrar em contato para te ajudar.

[contact-form-7 id=”21856″ title=”LP Comunicação Corporativa”]

× Como posso te ajudar? Available on SundayMondayTuesdayWednesdayThursdayFridaySaturday