Como reduzir encargos trabalhistas em 4 passos

encargos trabalhistas

Como reduzir encargos trabalhistas em 4 passos

Um dos maiores desafios para as empresas é conseguir reduzir os gastos com encargos trabalhistas. Otimizar esse setor é essencial para aumentar o faturamento do negócio, mas demanda uma estratégia por parte do empreendedor.

Quer saber mais sobre esse assunto? Neste artigo separamos alguns passos essenciais que vão te ajudar. Confira!

O que são encargos trabalhistas?


Contratar um funcionário é algo que custa bem caro para uma empresa. Os valores destinados a cada colaborador são chamados de encargos trabalhistas.

Em outras palavras, esses são benefícios diretos, garantidos por lei, pagos ao trabalhador pela empresa. Eles não são necessariamente recorrentes, podendo acontecer apenas uma vez por ano ou em casos especiais, como é o caso do 13º salário ou de desligamento de funcionário, respectivamente.

Assim como os encargos sociais (INSS e FGTS, por exemplo), eles são obrigatórios nas contratações  CLT e o valor total depende do regime tributário da empresa. 

Mesmo com a Reforma Trabalhista, que flexibilizou muitos aspectos para os empreendedores, ainda há uma série de exigências que caso descumpridas, geram multas muito prejudiciais para o negócio.

Os encargos trabalhistas ligados aos colaboradores são: 

  • 13º salário;
  • Férias remuneradas;
  • Vale-transporte;
  • Adicional de remuneração;
  • Ausência remunerada; 
  • Licenças;
  • Repouso remunerado e feriados;
  • Salário-família;
  • Rescisão de contrato.

 

4 passos para reduzir encargos trabalhistas


Os encargos trabalhistas, como mencionamos, são obrigatórios. Porém, dependendo da forma como a empresa administra esses gastos, ela pode conseguir uma redução considerável e suficiente para impactar na folha de pagamento.

Aqui não estamos falando de nenhuma fórmula mágica, mas sim de pequenos cuidados e ações estratégicas que fazem a diferença. Confira:

1. Acabe com as horas extras


As horas extras são vilãs dos custos de uma colaborador, pois são despesas extras na folha de pagamento. Além disso, elas não necessariamente significam uma produtividade maior, visto que o profissional precisa trabalhar além dos limites de sua jornada.

Sendo assim, o primeiro passo é fugir das horas extras ao máximo. Se essa for uma situação recorrente na sua empresa, faça uma reorganização das tarefas ou adote o banco de horas.

Nesse sistema, as horas extras são transformadas em folgas, não representando custos financeiros para a gestão.

2. Terceirize o que for possível


Existem serviços que não estão diretamente ligados à atividade-fim do negócio, mas que são essenciais para a parte operacional e até estratégica da empresa. Ter uma equipe interna para esses setores pode ser muito caro, por isso a terceirização é uma excelente forma de economizar.

É possível contar com profissionais qualificados para atuar em setores como TI, RH, logística, limpeza, entre outros, através da terceirização. Essa alternativa não deve ser negligenciada, pois além de contribuir com a rentabilidade, também melhora a qualidade do serviço.

3. Apure corretamente o regime tributário


O planejamento tributário é fundamental para que a empresa não acabe gastando mais do que ela realmente precisa com as
obrigações fiscais. Ou seja, nem sempre o  enquadramento no Simples Nacional é a melhor alternativa, pois é preciso avaliar as especificidades de cada organização. 

Uma equipe especializada poderá analisar as margens reais de lucro e aos cálculos do PIS/Cofins, considerando qual regime é mais adequado para reduzir os custos da folha de pagamento.

4. Automatize processos


A transformação digital facilitou a gestão empresarial em muitos aspectos. A automatização de processos fez com que muitas atividades migrassem para o digital, reduzindo o tempo e dinheiro gastos com tarefas manuais.

De acordo com um levantamento do U.S. Department of Labor, nos Estados Unidos, os custos de uma má contratação podem chegar a 30% do salário anual do colaborador. 

Aqui no Brasil, a ausência de uma estratégia que coordene 13º salário, 1/3 de férias, FGTS e todas as despesas de recrutamento e seleção, podem, sim, causar danos às empresas – muitas vezes até irreversíveis.

Por outro lado, as soluções digitais podem otimizar muito a gestão de pessoas. O RH 4.0, como é chamado, pode apostar em processos de seleção online, além de basear suas decisões no People Analytics

Com isso, as chances de contratar o profissional errado para a vaga são muito menores, pois há todo um sistema que cruza as competências de cada candidato com as necessidades do cargo. 

A consequência disso é a retenção de talentos, que a longo prazo representa uma economia significativa em relação às despesas de contratação e demissão.

 

Essas dicas de redução de encargos trabalhistas foram úteis para você? Confira também O que é compliance trabalhista e por que estar em conformidade com ele.

Compartilhe

Deixe seu e-mail e receba antes o nosso conteúdo.