Saiba o que é Síndrome de Burnout e como evitá-la

o que é Síndrome de Burnout

Saiba o que é Síndrome de Burnout e como evitá-la

Manter uma rotina profissional intensa pode até contribuir para a entrega daquele projeto importante e urgente dentro do prazo. No entanto, quando a rotina torna-se intensa e desgastante de forma recorrente, você pode dar espaço ao esgotamento profissional Você já ouviu falar ou sabe o que é Síndrome de Burnout?

A síndrome, classificada pelo CID 10 – Z73, é caracterizada pelo estado de estresse extremo e crônico. Além disso, é uma realidade do cenário profissional moderno. 

Com as taxas de desemprego sempre em alta, poucas são as ofertas profissionais. E, neste cenário, quem consegue se realocar no mercado de trabalho encontra uma rotina estressante e desgastante.

Isso acontece porque – muitas vezes – um único profissional é responsável pelo trabalho de 3, às vezes 4 colaboradores. O resultado não pode ser outro: acúmulo de demandas, ansiedade e desgaste emocional.

Em nosso artigo de hoje vamos explicar tudo sobre a Síndrome de Burnout. Você vai entender:

  • o que é a Síndrome de Burnout;
  • quais seus principais sintomas;
  • como evitá-la;
  • quando buscar auxílio médico profissional.


Continue conosco e boa leitura!

O que é a Síndrome de Burnout


O termo Burnout vem do inglês, cujo significado literal é
“queimar até o fim”. A partir desse significado, já é possível entender como a doença se manifesta e está atrelada ao ambiente profissional. 

Na verdade, a síndrome não é uma doença em si, mas, sim, um conjunto de sintomas.

No Brasil, a síndrome que já afeta mais de 33 mil brasileiros também é popularmente conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional. E não é para menos, já que afeta diretamente os aspectos físicos e psicológicos dos profissionais que possuem altas cargas de trabalho.

Há quem pense que o Burnout é algo relativamente novo, mas não. Os primeiros sinais da síndrome foram apresentados ainda em 1974, pelo então médico Freudenberger, dos Estados Unidos. 

Na época,  o médico relatava os sintomas diversos vivenciados por ele e seus amigos médicos. Apesar de não saberem, já eram sintomas claros de esgotamento.

Outro ponto relevante é que a Síndrome de Burnout não se refere apenas ao volume excessivo de tarefas. Relações abusivas dentro do ambiente de trabalho, que acarretam em pressão psicológica, também são responsáveis por desencadear os sintomas.

Quais os principais sintomas da síndrome?


É válido destacar que nem sempre os sintomas da Síndrome de Burnout se manifestam sem conjunto. Além disso, muitos deles também são característicos de outras doenças. Por isso, é fundamental buscar auxílio médico para análise de quadro.

Entre os principais sintomas, destacam-se os seguintes:

  • dores e tensões musculares;
  • enxaqueca e dores de cabeça constantes;
  • mudanças repentinas no humor – como irritabilidade;
  • lapsos de memória;
  • quadros de agressividade;
  • dificuldade de concentração e conclusão de tarefas;
  • redução do apetite;
  • perda de prazer por atividades que antes eram prazerosas;
  • isolamento e irritabilidade para lidar com pessoas;
  • quadros depressivos – leves em estado inicial mas que podem se agravar.

 

Como evitar um quadro de desgaste emocional e profissional?


Há quem pense que a Síndrome de Burnout não pode ser evitada. Que ela simplesmente surge e não há como prevenir. Pelo contrário. Algumas alterações nos hábitos diários são capazes de reduzir as cargas de estresse e tornar a rotina profissional mais leve e tranquila.

Listamos abaixo algumas práticas que podem prevenir o surgimento ou o agravamento da Síndrome de Burnout. Sem contar que bons hábitos são de grande valor para aqueles que buscam equilíbrio e uma vida pessoal mais saudável.

Relações interpessoais saudáveis


Um ambiente de trabalho tóxico não faz bem para ninguém. Por isso, adotar ações cordiais, gentis e de cooperação transformam o ambiente em um local mais harmonioso e livre de desgastes psicológicos.

Manter relações saudáveis no trabalho reduz a carga de estresse e, consequentemente, distância o esgotamento profissional.

Rotina de exercícios físicos


A prática regular de atividades físicas é um remédio natural em prol da longevidade. Além disso, promove um estado de relaxamento e prazer, filtrando todas as emoções negativas, medos e ansiedade.

Praticar a atividade física preferida antes ou depois do expediente mantém o cérebro em equilíbrio, proporcionando mais leveza e tranquilidade aos pensamentos.

Lazer e distração


Um dos grandes insights relacionados a Síndrome de Burnout é a dificuldade de se desligar do trabalho e focar sua atenção em outras atividades. Porém, dedicar o tempo aos momentos de lazer é de muito relevante. 

Além de reduzir os níveis de estresse, passar momentos felizes ao lado de quem ama, sem grandes pressões, eleva a sensação de bem-estar.

Períodos de descanso

Outro grande erro de profissionais com rotinas estressantes e desgastantes é não aproveitar as folgas e férias para, de fato, descansar. É bem comum encontrar colaboradores que, mesmo em folga, estão com o smartphone ativo, resolvendo questões e processos da empresa.

Aproveitar uns dias offline para cuidar de si, fazer uma viagem, brincar com os filhos ou com os pets é crucial para evitar e tratar a síndrome de Burnout.

Planejamento e organização de tarefas


Muitos episódios de Síndrome de Burnout estão diretamente ligados a falta de organização e planejamento das tarefas diárias. Quando o colaborador não visualiza suas tarefas de maneira organizada, clara e precisa, tende a acumulá-las e concluí-las em um curso espaço de tempo.

Reorganizar a lista de tarefas é algo simples, porém, muito funcional. O ideal é destrinchar os compromissos ao longo da semana, deixando tempo hábil entre uma tarefa e outra – para dar aquele respiro profundo e colocar as ideias no lugar.

Se o colaborador não tem o poder de modificar prazos e volumes da demanda, vale refletir junto ao seu gestor, a fim de traçar o melhor planejamento. Saúde e estabilidade emocional devem, sempre, vir em primeiro lugar.

É hora de buscar ajuda médica?


O tratamento médico é de suma importância para o controle da Síndrome de Burnout. Profissionais como psiquiatras e psicólogos são mais indicados neste caso.

O momento ideal de buscar ajuda varia de indivíduo para indivíduo. No entanto, a partir dos sintomas que mencionamos anteriormente, já é possível perceber se algo não vai bem.

Usualmente, pessoas que sofrem com Síndrome de Burnout tendem a se culpar, tentando buscar respostas para o estresse, irritabilidade e falta de organização. Mas, o que elas não sabem, é que não há culpado neste cenário.

 

Com o tratamento indicado pelo profissional, a rotina se encaixa. O prazer pelas atividades retorna, o trabalho rende e os resultados são obtidos. Para conhecer outros motivos de desmotivação no trabalho que vão além da Síndrome de Burnout, bem como combatê-lo, confira nosso conteúdo exclusivo.

Compartilhe

Deixe seu e-mail e receba antes o nosso conteúdo.