Veja como aplicar uma gestão de risco eficiente dentro da sua empresa

gestão de riscos

Veja como aplicar uma gestão de risco eficiente dentro da sua empresa

Um dos maiores desafios enfrentados pelas empresas é conseguir manter tudo em ordem, saindo como era esperado. Isso porque existem diversos fatores que podem mudar esse cenário, tornando essencial o planejamento de uma Gestão de Riscos.

As incertezas que são naturais de qualquer negócio, quando não sanadas por uma boa Gestão de Riscos, pode provocar prejuízos significativos. Na pior das hipóteses, pode até fazer sua empresa fechar as portas. Por isso um planejamento estratégico é tão importante.

Se você quer saber mais sobre Gestão de Riscos, continue lendo. Vamos explicar o que é, qual sua importância e benefícios, além de como aplicar a Gestão de Riscos no seu negócio.

Acompanhe!

O que é Gestão de Riscos?


A Gestão de Riscos (
risk management) ou gerenciamento de riscos é uma medida que tem como objetivo identificar e medir o nível de risco que cada operação da empresa apresenta. 

Basicamente é fazer uma previsão de quais são as chances de algo acabar não saindo como o planejado, causando atrasos, perda de recursos e até clientes

Uma Gestão de Riscos eficiente é capaz de adotar medidas preventivas, assim como perceber boas oportunidades, negócios promissores para o futuro. Todo esse gerenciamento passa por processos cuidadosos que garantem que a empresa não seja arruinada por impactos inesperados, sejam eles pequenos ou grandes.

Para que isso dê certo, é primordial estabelecer estratégias que agreguem equilíbrio entre as metas e objetivos a serem alcançados e os riscos que podem estar envolvidos.

Segundo o que diz a ISO 31000, norma internacional para Gestão de Riscos, para que o gerenciamento seja eficiente, ele deve cumprir com os seguintes requisitos:

  • Criar e proteger valor;
  • Ser uma parte integrante de todos os processos da organização;
  • Ser parte da tomada de decisões;
  • Abordar com clareza as incertezas;
  • Ser sistemática, estruturada e oportuna;
  • Se basear nas informações mais qualificadas possíveis;
  • Ser sob medida;
  • Considerar fatores humanos da organização;
  • Ser transparente e inclusiva;
  • Ser dinâmica, interativa e capaz de reagir a mudanças;
  • Facilitar a melhoria contínua da organização.

 

Segundo essas premissas, percebemos que a Gestão de Riscos não significa que o negócio não sofrerá com problemas inesperados. Pelo contrário, a empresa terá o controle destes imprevistos, podendo se preparar para lidar com eles e monitorá-los com mais precisão. 

Os riscos dentro de um negócio são classificados como:

  • Podem ser evitados: indesejáveis 
  • Passíveis de estratégia: podem ser controlados e monitorados
  • Externos incontroláveis: demandam preparo e redução de impactos

 

Importância da Gestão de Riscos


Quando uma empresa começa a dar seus primeiros passos, é muito comum que a Gestão de Riscos não seja uma preocupação. Isso porque os problemas são menores, mais fáceis de serem resolvidos, de “dar um jeitinho”.

Porém, na medida em que o negócio começa a crescer e se desenvolver, as coisas podem acabar saindo de controle, o que é muito provável. 

A empresa aos poucos começa a sentir os impactos de confundir uma entrega, de deixar um cliente esperando, de não tomar medidas quando o setor de RH atrasa na elaboração da folha de pagamento.

Em outras palavras, o gestor começa a se perguntar “e se?”. E se acontecer um imprevisto? E se não der tempo? E se não concluirmos essa venda?

Fazer essas perguntas é muito importante. Através delas é possível visualizar uma variedade de cenários para cada situação, pensando também em como agir em cada um deles, que medidas tomar. 

Isso garante que a empresa esteja a um passo à frente dos problemas, sendo capaz de controlar todos eles, ou pelo menos a grande maioria, com maestria.

Benefícios da Gestão de Riscos


A Gestão de Riscos, como pudemos ver até aqui, é
essencial para qualquer empresa. Mas a boa notícia é que ela ajuda em outros processos, agregando benefícios muito positivos para o negócio, tais quais:

Maior lucratividade


A Gestão de Riscos beneficia a
taxa de lucro da empresa, na medida em que prevenir custa muito menos do que remediar

Controlar os riscos permite lidar com ameaças antes que elas se instalem e provoquem prejuízos reais, que são muito mais custosos. 

Prevenção contra perdas financeiras


Lançar um produto no mercado sem conhecer e analisar os riscos, por exemplo, é uma atitude com alta probabilidade de prejuízos. Não é raro ver no mercado historias de produtos que causaram
perdas enormes por conta da falta de uma Gestão de Riscos.

Otimização processos e recursos internos


Com a Gestão de Riscos também é possível organizar melhor os recursos, definindo processos mais seguros e eficazes. Por consequência, a produtividade da equipe como um todo se torna
mais potente. 

Como aplicar a Gestão de Riscos


Agora você já sabe o que é Gestão de Riscos e qual sua importância para o negócio. Mas como aplicá-la, afinal? Vejamos a seguir alguns passos principais:

1. Identificar e classificar


O primeiro passo é conhecer melhor a empresa e identificar quais são as
vulnerabilidades do seu negócio. Ou seja, o que pode de fato prejudicar seu desempenho? 

Além disso, identifique o estágio em que seu empreendimento está, como por exemplo, crescimento, expansão ou consolidação?

Identifique os riscos e classifique-os como os que podem ser evitados, que são passíveis de estratégia ou que são externos incontroláveis.

2. Mensure os riscos


Nesta etapa será possível transformar a Gestão de Riscos em valores
mais concretos para o negócio, mensurando a frequência com que ele ocorre e o impacto da perda. 

Isso pode se dar através de análises quantitativas e qualitativas, que poderão indicar, por exemplo, se o determinado problema acontece uma vez ao ano, ou se ocasiona uma perda considerada baixa.

3. Trate os riscos


Nesta etapa, os riscos são organizados em ordem de
importância e urgência, para que aqueles com maior impacto sejam tratados primeiro.

Em seguida, deve ser definido também de que forma que cada um dos tópicos será tratado, ou seja, definir se o risco deve ser evitado, retido, reduzido ou explorado.

4. Monitorar


Quando todas as etapas anteriores forem concluídas e você achar que acabou, se engana! Quando se trata de Gestão de Riscos, o principal é estar
sempre alerta

Isso significa que é essencial acompanhar esses dados de perto, observar como os riscos estão se comportando e se exigem alguma ação.

Para isso, o ideal é investir em inovação, em controles automatizados, focar em relatórios de desempenho, instaurar uma forte comunicação interna para a transmissão de políticas e procedimentos, entre outras medidas úteis.

 

Gostou das nossas dicas sobre Gestão de Riscos? Confira também nosso artigo sobre transformação digital em pequenas e médias empresas.

Compartilhe

Deixe seu e-mail e receba antes o nosso conteúdo.