O que é pandemia? Entenda melhor os impactos provocados pelo novo coronavírus

o que é pandemia

O que é pandemia? Entenda melhor os impactos provocados pelo novo coronavírus

Nos últimos meses, o Brasil e o mundo têm acompanhado o desenrolar de diversos acontecimentos provocados pelo novo coronavírus, causador da doença denominada COVID-19. Mas muitas pessoas ainda não sabem o que é pandemia e que consequências estão atreladas a esse termo.

O coronavírus, desde que começou a se espalhar pelo mundo, têm provocado abalos nos mercados globais e também paralisado atividades econômicas em todo o mundo.

Seus impactos atingem diretamente as cadeias globais de suprimentos e o comércio de maneira geral, causando efeitos crescentes na vida de todos os seres humanos, não só economicamente, mas também socialmente.

Por que isso acontece? Quais os impactos disso? Como agir diante da situação? Entenda de uma vez o que é pandemia e as razões pelas quais ela afeta tantos setores de nossas vidas.

O que é pandemia?


Primeiramente, é preciso esclarecer acerca desta terminologia, que não deve ser considerada de maneira precipitada para não gerar alarme.

É comum que as pessoas a confunda com outros dois conceitos também muito conhecidos: surto e epidemia. 

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), a definição de surto é voltada para casos registrados repentinamente em regiões específicas, como um bairro ou cidade. 

Além disso, um surto considera doenças inusitadas, como por exemplo aquelas que apresentam quadros respiratórios (síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave) causados pela nova cepa de coronavírus identificada na China.

A situação passa a ser considerada como uma epidemia quando já não é possível ter uma noção tão definida do escopo geográfico em que a doença se encontra, assim como não é possível saber ao certo quantas pessoas ali estão infectadas. 

Quando há uma elevação repentina e temporária de novos casos de uma doença (desconhecida ou não) chama-se epidemia. É o que se podia dizer da China no início de 2020.

A epidemia se torna uma pandemia a partir do momento que começa a afetar diversos países e continentes, simultaneamente. Casos isolados não caracterizam uma pandemia. A proporção de contágio está relacionada a diversos fatores, como a capacidade de disseminação do agente infeccioso e a presença do vetor responsável por espalhar o vírus.

Principais características de uma pandemia


Para que o diagnóstico de uma pandemia seja divulgado, alguns pontos são considerados na análise, como:

  • Ampla distribuição geográfica: como dito, uma pandemia afeta uma grande extensão territorial, que supera fronteiras. Exemplos conhecidos são a própria covid-19 e a peste negra, por volta dos anos 1300;
  • Rastreabilidade da doença: é necessário saber como a doença se espalha, seja por via respiratória, pela água ou vetores (como os mosquitos Aedes que transmitem a dengue);
  • Alta taxa de infecção: uma pandemia se caracteriza também pela sua alta e veloz propagação. Em outras palavras, o poder da doença de se multiplicar rapidamente;
  • Novo patógeno: uma pandemia está comumente associada ao surgimento de novos patógenos e suas variantes, para os quais ainda não há tratamento comprovadamente eficaz;
  • Tipo de contágio: a grande maioria dos casos de epidemias e, consequentemente pandemias,  é de doenças transmitidas de pessoa para pessoa;
  • Gravidade: uma pandemia também é mais fortemente caracterizada por ser uma doença com altos índices de mortalidade, como a peste negra, o H1N1 e a Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars). Porém, não é regra, já que doenças menos severas, porém graves, também podem se espalhar facilmente.

 

Impactos provocados pelo coronavírus


Agora que você sabe o que é pandemia, certamente notou que as características correspondem ao momento atual.

Com o anúncio da Organização Mundial de Saúde (OMS) no início de março, declarando a Covid-19 como uma pandemia, os esforços passaram a se concentrar, mais do que nunca, na contenção do vírus, assim como o diagnóstico e tratamento dos infectados.

Em decorrência disso, o Brasil se viu no mesmo cenário em que países europeus e asiáticos, adotando o isolamento social como medida preventiva.

Antes mesmo disso, os impactos da pandemia já começavam a ser sentidos na economia. Com o alcance cada vez maior da doença, logo notou-se cadeias globais de suprimentos afetadas, fronteiras sendo fechadas, eventos cancelados e bolsas em queda.

Paralisação da economia


Sabendo o que é pandemia, não fica tão difícil entender o motivo de  indústrias estarem paralisando a produção, escolas sendo fechadas e comércio de todos os lugares sendo impedidos de se manterem em funcionamento. 

Consequentemente, houve uma redução drástica de dinheiro circulando. 

Grandes eventos como shows, palestras e até mesmo a Olimpíada de Tóquio, que aconteceria em agosto, tiveram de ser cancelados ou adiados.

As bolsas em queda no mundo todo e o dólar superando R$5,00 levam as empresas a realizarem cortes e anunciar projeções de lucro bem menores.

A economia em escala global deve desacelerar em 2020, apontada por analistas como uma recessão evidente, mas que ainda não se sabe ao certo qual sua profundidade e por quanto tempo permanecerá.

Muitos fatores são levados em conta durante esse processo como:

  • que medidas os governos de cada país vão adotar;
  • como bancos centrais e instituições internacionais vão se posicionar;
  • quanto tempo levará para que o coronavírus esteja sob controle.

Cadeias globais afetadas


Antes mesmo da quarentena começar no Brasil, algumas indústrias já estavam tendo que interromper suas produções por conta da falta de componentes necessários que provém de outros países. 

A China, por exemplo, principal epicentro da pandemia, é responsável por mais de 20% de todos os bens intermediários manufaturados que são consumidos no mundo. 

Com isso, peças fundamentais para a fabricação de celulares, máquinas de lavar, computadores, televisores, entre outros eletrônicos que são produzidos em outros países, começaram a faltar bem antes de tudo isso.

Risco de colapso aos sistemas de saúde


Sem as medidas de prevenção e com a rapidez com que o vírus se espalha, um cenário a que todos temem é o de colapso da
gestão de saúde do país.

Em outras palavras, isso vai além do atendimento em hospitais públicos. Mesmo com dinheiro, plano de saúde e quaisquer outros recursos, como ações judiciais, não haveria espaço para ser atendido, segundo explicação do ex-Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Isso reforça que tão importante quanto atender aos infectados, evitar a propagação da doença e aderir ao isolamento social é primordial.

 

Como podemos ver, o impacto da crise na saúde é sentido em todos os setores, no mundo todo. É um momento em que as empresas precisam se reorganizar e se preparar para conseguirem passar por essa turbulência.

Agora que você já sabe o que é pandemia, confira quais são as principais habilidades essenciais para que um líder faça um bom gerenciamento de crise.

Compartilhe

Deixe seu e-mail e receba antes o nosso conteúdo.