Estresse no trabalho: como identificar, os impactos e o que fazer

estresse no trabalho

Estresse no trabalho: como identificar, os impactos e o que fazer

O estresse no trabalho é um problema recorrente nos dias atuais e as razões pelas quais ele acomete tantos profissionais podem ser diversas, sendo um conjunto de fatores que leva a esse quadro.

Passar por momentos de estresse em algum período da vida é absolutamente normal. 

Porém, quando se torna um problema frequente, ele pode evoluir para um quadro mais grave e ocasionar outros problemas, como transtornos mentais, doenças cardiovasculares e levar até ao abuso de drogas, por exemplo.

O ambiente de trabalho é naturalmente propício ao desenvolvimento de níveis mais altos de estresse e é por esse motivo que hoje tanto se fala do papel das empresas nesse contexto.

A importância da empresa em assumir a responsabilidade por um ambiente de trabalho mais saudável para seus colaboradores é incontestável. 

Se você quer entender melhor o que caracteriza o estresse no trabalho, quais são os impactos na rotina da equipe e como agir diante desse problema, continue lendo esse artigo e confira tudo que você precisa saber!

O que caracteriza o estresse no trabalho?


Um erro muito comum é confundir o que é estresse e o que é apenas um comportamento isolado. Generalizar o estresse e reduzi-lo somente as ações agressivas, por exemplo, é um grande erro.

A sociedade em que vivemos tem uma característica muito forte de incentivo ao ter e possuir, a sempre ganhar. Paralelamente, há sempre medo de perder, ser deixado de lado, falhar.

Essa perspectiva que acaba sendo intrínseca a nós, acaba criando uma constante sensação de insegurança, de necessidade de frequentemente se provar o melhor e de estar à frente de qualquer expectativa

No mercado de trabalho atual, a competitividade é um elemento determinante para o fortalecimento dessa visão negativa sobre os colegas de trabalho. 

Se por um lado gestores estão cada vez mais conscientes que pressionar os profissionais é negativo para o desempenho do negócio, os próprios colaboradores muitas vezes ainda têm dificuldade para encararem as coisas dessa forma.

Na corrida imaginária por estar sempre em vantagem aos demais companheiros de trabalho, muitos acabam ultrapassando seus próprios limites, cobrando resultados cada vez mais exigentes de si mesmos.

O medo de perder o emprego leva muitos a assumir mais tarefas do que deveriam, trabalhar além do horário ou abrir mão das férias. 

Em outros casos, mesmo em dias de folga é impossível se desligar do trabalho, visto que a tecnologia muitas vezes faz com que o trabalho esteja sempre conosco, a uma notificação de distância.

Por sua vez, o desenvolvimento do estresse no trabalho apresenta quatro estágios: alerta, resistência, quase-exaustão e exaustão.

Simplificando, é através desse processo que o profissional atinge picos de produtividade exagerada, provocando uma irregularidade em sua qualidade de vida, para então chegar em um ponto de exaustão que o impede de continuar exercendo suas funções.

Quais os impactos na rotina profissional?


Antes que a situação chegue ao ponto de exaustão, a empresa e a equipe de Recursos Humanos, em especial, devem ficar atentas a alguns sinais preocupantes, como profissionais que apresentam:

  • Pouca confiança profissional em suas próprias habilidades
  • Ansiedade e constante preocupação
  • Frequência de atrasos e faltas
  • Frequência de quadros de adoecimento e afastamento
  • Pouca interação social com os colegas
  • Produtividade abaixo da média
  • Constante irritabilidade e conflitos com outros profissionais
  • Baixa concentração nas atividades
  • Memória ruim
  • Comportamento apático e pouco interessado
  • Pouco engajamento com os objetivos da empresa e da equipe.


Caso esses sintomas sejam ignorados, o impacto pode ser ainda maior. Como dito anteriormente, o quadro pode evoluir para ansiedade, gastrite, taquicardia, depressão e
Síndrome de Burnout. 

No dia a dia, o pouco envolvimento do profissional afetado e suas faltas inevitavelmente diminuirão o desempenho de toda a equipe, podendo gerar também outros problemas para a empresa, como altas taxas de sinistralidade e turnover.

Como consequência, o estresse no trabalho acarreta todo um cenário de instabilidade dentro da empresa quando não controlado.

O que a empresa pode fazer?


O estresse no trabalho, como vimos, pode ser fruto de problemas externos ou internos. Mas o fato é que é possível evitar que ele chegue ao extremo, causando danos irreversíveis para a saúde do profissional e dificuldades maiores para a empresa.

Por essa razão, é função da organização oferecer ferramentas que possam prevenir e combater a presença de qualquer um desses sinais.

Vejamos algumas dicas importantes:

Reconhecer o problema


O primeiro passo para que uma empresa se comprometa a impedir que o estresse no trabalho seja um obstáculo é reconhecer sua importância e
admitir que ele merece atenção.

Um dos principais erros que leva aos quadros mais graves é justamente a negação à realidade e responsabilidade, julgando que cada indivíduo deve lidar com seus problemas por si só.

A partir do momento que a gestão assume a situação e decide adotar práticas que evitam minimizar a gravidade dela, já será um avanço.

Zelar pelo clima organizacional


Pequenas atitudes podem contribuir muito para um clima organizacional mais
harmonioso e saudável, menos propenso ao estresse.

A empresa pode disponibilizar ambientes para pausas e relaxamentos, evitando a sobrecarga de trabalho.

Líderes que reconhecem o esforço dos profissionais e que incentivam ações colaborativas também são essenciais para a construção de um relacionamento interno mais leve e com menos conflitos.

Conscientizar as equipes


Assim como muitos gestores não dão a devida importância, é possível que os próprios colaboradores também pensem assim.

Dessa forma, conscientizar os profissionais é um dos caminhos para que eles próprios percebam quando algo está errado.

É preciso que o estresse no trabalho deixe de ser um tabu ou um tema que sempre pode ser deixado para depois. Ele é silencioso e pode facilmente despercebido até que já seja tarde e o quadro tenha evoluído.

 

Como pudemos ver, o estresse no trabalho é um assunto sério, que deve ser reconhecido e combatido, também como responsabilidade da empresa. Gostou desse conteúdo? Entenda melhor o que é a gestão de saúde.

Compartilhe

Deixe seu e-mail e receba antes o nosso conteúdo.